04 agosto 2010

Estórias de Seu Deusim ...e outros

 DESTINO CERTO.
Tio Pio nos contou várias vêzes que em uma das grandes secas no Ceará ele resolveu ir embora para o Rio de Janeiro; a coisa aqui estava muito ruim. Como naquela época essa viagem era feita de navio, Ele foi ao porto do Mucuripe e, dirigindo-se ao despachante, travou com ele o seguinte diálogo:
- “Eu quero uma passagem para o Rio de Janeiro”.
- “Não há previsão de navio para o Rio; passou um, faz menos de uma semana.”
- “E aquele navio que está parado alí ? ”
- “Aquele alí vai é prá Manaus.”
- “Serve”.
E foi para o Amazonas onde viveu por muitos anos. Voltou com o mesmo dinheiro ou seja nenhum.
O CONTADOR DE ESTÓRIAS.
- Cumpade, tu sabe tanta estória boa, podia contar uma estorinha.
- Pois é cumpade, na seca de 22 a coisa aqui estava muito ruim; ninguém aguentava mais. Aí eu resolvi ir embora para o Rio de Janeiro. Fui de navio. Certa madrugada , o navio ia mais ou menos perto da costa de Maceió quando bateu numas pedras e começou a afundar. Foi quando eu acordei e fui sair; aí eu vi que a porta do camarim tava emperrada, nao consegui abrir. Você sabe que nessas horas agente precisa ter calma; então resolví sair pela escotilha, mas apareceu outro problema: a cabeça passava mas eu enganchava na altura dos ombros. Não encontrando outra solução, eu tirei toda a roupa, fiquei nu, passei uns óleos que ia levando, para o corpo ficar mais liso, consegui passar, caí na água e comecei a nadar, nadei muito. Quando já fazia uns quarenta e cinco minutos que eu estava nadando, apareceu um tubarão. Eu não tinha outra defesa; quando vi que o bicho vinha me atacar, metí a mão na cintura, puxei minha peixeira, e partí pra cima d’ele.
- Mas cumpade, tu não disse que tava nu?
-Ah! Bom rapaz, você não quer ouvir estória coisa nenhuma; você quer é discutir.
Postar um comentário