23 fevereiro 2011

A Procura de um Patriarca

Recife, 03 de Setembro de 2007.
Procura-se desesperadamente um patriarca.
O meu não serve.
Um patriarca não pode errar, mas o meu erra. E assume. E acha erro seu até onde não tem. E arruma sempre uma interpretação dos erros dos outros de forma que lhe possa sobrar uma parcela de culpa.
Um patriarca não pode ser modesto. No dicionário, modesto é pouco, e um patriarca tem que ser muito. O meu, desobedecendo mais uma regra, e em mais um paradoxo, tem uma modéstia enorme, sem tamanho.
Um patriarca é, geralmente, o avô. Mas de meus avós eu pouco conheci. Do avô paterno, só as mãos, o jeito de escrever e de ser, que ficaram tão arraigados em meu pai. O meu, você acredita, é um tio?
Um patriarca deve ter autoridade firme, mas o meu é bastante maleável, tanto quanto seus cabelos, com os quais faço diversas esculturas, até deixá-lo parecendo Itamar Franco.
Um patriarca tem que ser sério, irrepreensível. O meu, no entanto, vive a dar risadas, permitindo inclusive advinhações ( o caba deita na rede e drome) e até umas besteiras, de vez em quando.
Um patriarca, obviamente, tem de ser uma figura imponente. O meu não impõe. Demonstra. É um exemplo vivo das maiores lições de moral que poderia dar, se quisesse, mas ele teima em preferir assim: demonstrar.
Um patriarca tem de ter a consciência de sua liderança, de que ocupa o mais alto posto da hierarquia. O meu desce até os mais novos, e escuta com atenção até o que os pirralhos (como eu) têm a dizer. E muitas vezes chega ao disparate de acreditar que pode aprender com eles!
Um patriarca tem que ser um homem complexo, erudito, sofisticado. O meu, ao invés de seguir grandes líders políticos, com sua eloquência e fala prolixa, resolveu seguir uma idéia budista: a maior consequência da sabedoria é a simplicidade. E ele, apesar de tão culto, é simples. No jeito de falar e no jeito de vestir. E, pior, no jeito de pensar.
Um patriarca deve saber de sua importância. O meu, na verdade, não se importa muito com isso, e muitas vezes sequer acredita no tamanho da que tem, ainda que todos não tenham dificuldade alguma de sentí-la.
Um patriarca deve ter uma humildade educada que favoreça sua imagem e reputação. O meu continua destoando, e cultiva, naturalmente, uma humildade verdadeira que só serve para sua própria consciência.
Um patriarca deve ter uma inteligência exuberante, evidente. O meu, apesar de incontestavelmente inteligente, disfarça-a. Principalmente em conversa com aqueles que teriam dificuldade de alcançá-la. E, justamente por isso, sem querer ela sempre aparece, em entrelinhas que impressionam mais do que a maioria dos discursos diretos.
Um patriarca deve ser respeitado, saudado, venerado. Como Aledxandre, o grande, um símbolo único de grandes conquistas. O meu teima em fazer, ele próprio, as reverências... Aos outros! A cada um ele credita um pouquinho de suas vitórias, e, como se fosse pouco, ainda se acha no direito (e dever) de compartilhar todos os seus resultados.
É, meu resultado não serve ( no verbo intransitivo). Ele nasceu, humildimente, apenas para servir (no verbo transitivo direto) a tudo e a todos.
E eu lhe digo uma coisa: se você achar um patriarca que realmente sirva(“intransitivamente”) do jeitinho que um patriarca deve ser, pode ficar com ele para você.
Duvido que, com tudo isso, ele seja melhor do que o meu. Meu Tio Mano.
Duvido.
A morena.
NAIANA BEZERRA DE BRITO.

Postar um comentário